Acelera Startups

A maior escola online de startups do Brasil

O MUNDO DO VINHO
Era aquele sábado finalzinho de tarde, a temperatura estava agradável do ponto que você pode estar com um leve casaco ou uma camiseta, o restinho sol vai batendo na janela e você sabe que ainda tem muito pela frente. A deliciosa pergunta vem – O que eu gostaria de fazer?
Lembrei da indicação de um documentário sobre vinho muito bom que havia recebido e pensei, pode ser uma ótima alternativa. (Somm é o nome dele e tem no netflix.)
Logo, no início você já sabe que vem coisa boa por aí, o quanto eles destacam o fascinante mundo do vinho que viria… Para quem gosta muito, para quem simplesmente aprecia e até para quem não curte a bebida, o documentário é maravilhoso pela ideia central – o vinho realmente contém uma mística e essa são suas histórias maravilhosas. Além de grandes lições que podemos levar para a vida…
Fica mais nítido ainda que quando você tem um vinho pela frente, não é apenas a bebida mas toda uma história, com rituais e inúmeras peculiaridades que fazer o momento não ser de como tomar um copo da agua… é o vinho e seu encantamento.
Isso começou a me levar a pensar – “Nossa mas acontece algo parecido com as Startups que tanto chamam atenção das pessoas e também tem uma mística… O que é?”
Se você tem pensamentos sobre empreendedorismo esse podcast ajuda a entender um pouco mais sobre pensar e agir no assunto – A Diferença Entre Pensar E Agir Empreendedor

AS STARTUPS E O IMPOSSIVEL
Essa é a combinação que gera a mística. As Startups são pessoas que resolvem desafiar uma forma tradicional de resolver determinado problema e acreditam que existe um novo jeito, impensado, incerto, cheio de riscos e picuinhas… elas vão tentar algo inusitado.
O que chama atenção é justamente essa ideia de fazer o impossível, o que ninguém fez.
Quando pensamos em ideias que desafiaram o tempo como Uber, Waze, Tinder, Whatsapp, isso citando apenas as mais conhecidas é claro, percebemos que elas desafiaram o que era comum, e normalmente acreditamos que isso é impossível. Até alguém fazer.
Convenhamos, nada de fato é… Cada vez mais tem loucos provando que há um jeito… E isso cria a mística.
“O IMPOSSÍVEL É O NOME QUE ALGUMAS PESSOAS DERAM PARA OS SONHOS QUE NÃO TIVERAM OUSADIA DE CORRER ATRÁS”

PORQUE CADA VEZ MAIS PESSOAS QUEREM ISSO?
Ora, pense no último projeto ousado que você fez, que as pessoas não acreditavam tanto, ou sabiam que seria difícil fazer, mas ao mesmo tempo seria incrível. Esse tipo de atividade nos envolve e abraça como uma avó com saudade. E no final é gostoso que só.
A verdade é que esses negócios impossíveis são cobertos de significado, passam a ser missões de vida e alma que precisam ser feitas para ajudar as pessoas e provar que sim – existe um jeito.
Vencer o impossível é uma sensação deliciosa, até quando não é com você. Quando escutamos essas histórias maravilhosas de alguém que conseguiu, sempre acabamos aproveitando um pouquinho dessa sensação, quase como passar o dedo no resto de cobertura de bolo que ficou na panela.
É ótimo quando você utiliza o máximo do seu talento em algo que realmente é um desafio… E essa é a mística das Startups que traz cada vez mais pessoas para esse mundo que o Chorão do Charlie Brown Junior já definiu:

O IMPOSSÍVEL É APENAS QUESTÃO DE OPINIÃO.

Você tem acesso às melhores práticas no ensino do Empreendedorismo Inovador para envolver o seu aluno e destacar a sua forma de ensinar? Preparamos um manual grátis em PDF com as melhores técnicas para você se inspirar e fazer a diferença na sala de aula.

Diante de um mercado cada vez mais competitivo e exigente, é preciso criar estratégias para diferenciar-se e atingir uma posição de vantagem em relação aos concorrentes. Torna-se necessário, então, apostar em um empreendedorismo inovador, modelo caracterizado pela alta capacidade de transformação do negócio e pelo engajamento de todos os envolvidos, que devem possuir objetivos claros, ousadia e vontade de realizar mudanças.

Empreendedorismo Inovador

Qualidades essenciais

Para seguir numa jornada empreendedora, é preciso que os responsáveis pela organização avaliem o próprio comportamento diante dos desafios diários e a dinâmica interna do negócio, o que envolve o comprometimento dos colaboradores e a capacidade de produção. O resultado dessa análise é o que vai definir se a empresa terá condições de arriscar-se em novos projetos e de ganhar uma posição de destaque no mercado.

Alguns quesitos são imprescindíveis para alavancar a trajetória do negócio e, consequentemente, a carreira profissional dos que nele atuam. Segui-los é algo fundamental para o sucesso da equipe de trabalho. Confira quais são eles:

Ética

Respeitar a política e os valores estabelecidos para o empreendimento, além dos princípios que regem a área de atuação no mercado, é o primeiro passo para adquirir credibilidade, formar uma imagem institucional sólida e criar oportunidades para a geração de novos negócios. E ao seguir as regras, os integrantes da instituição fortalecem as relações entre si e têm mais chance de permanecer no emprego, pois, dessa maneira, transmitem seriedade e confiança.

Foco no cliente

Priorizar a participação do consumidor no processo produtivo também é importante para inovar. Entender as necessidades dos clientes e as nuances do relacionamento com o público final auxilia no desenvolvimento do produto ou serviço desejado. Atendendo às expectativas, o fornecedor promove a fidelização do cliente. Tática indispensável para quem deseja reduzir os custos e ampliar as vendas.

Comprometimento

O compromisso da instituição com os envolvidos no negócio (funcionários, clientes, fornecedores, acionistas e parceiros) agrega valor e fortalece os laços corporativos. Alinhar as expectativas e os interesses de todos eles é um desafio que está diretamente relacionado aos benefícios alcançados com o engajamento. O resultado é a ampliação da rentabilidade e das experiências construtivas.

Flexibilidade

Estar aberto para o novo, saber ouvir opiniões e considerar os pontos de vista de diferentes pessoas são atitudes determinantes para a aplicação de ideias inovadoras. Ser sensível à mudança é o início para grandes ações, principalmente, em ambientes de negociação.

Pense além

As melhores iniciativas partem de empresários que estão atentos às necessidades do dia a dia de seu negócio e, ao mesmo tempo, preocupados com as ações futuras. Para que isso ocorra, as ideias dos gestores devem estar alinhadas às de seus colaboradores, visando benefícios para todos da equipe. Assim, líderes e liderados constroem uma gestão verdadeiramente inovadora.

Características de um inovador:

1 . Eles reconhecem necessidades
Inovadores são pessoas que conseguem identificar uma necessidade dentro de uma indústria, segmento de mercado ou cultura e encontrar uma oportunidade.
Enquanto o termo “necessidade” é amplo, o ponto é que inovadores entendem o que as pessoas estão procurando e acham formas de entregar isso.

2. Eles desenvolvem e refinam uma solução
Uma vez que um inovador reconhece uma necessidade, ele tende a trabalhar incansavelmente para descobrir a solução mais criativa e prática possível.
Depois, eles trabalham não apenas para melhorar a solução, mas para antecipar futuras necessidades. Você pode ter certeza que o primeiro iPhone não veio da primeira solução proposta. E você também pode ter certeza que a adição da câmera e 3G já tinham sido pensados anteriormente.

3. Eles correm riscos
Verdadeiros inovadores são muito bons em identificar necessidades, mas não há como garantir que vai dar certo.
Todos empreendedores estão dispostos a correr risco, mas os inovadores estão dispostos a ir ainda mais longe e se arriscar a ir onde ninguém foi.

4. Eles vão mais longe
A natureza de uma inovação verdadeira é que ela vai além do que já está escrito.
Verdadeiros inovadores entendem que eles precisam pensar além do que já foi tentado até hoje. Eles levam as coisas para o próximo nível.
Isso faz parte de correr riscos, mas está muito relacionado à imaginação e vontade de tentar algo completamente novo.

5. Eles criam significado
Quando falamos de verdadeiros inovadores, não simplesmente falamos de pessoas que criam um produto por criar. Essas pessoas estão lá para causar impacto.
Eles podem não estar tentando curar os problemas do mundo, mas eles estão pelo menos tentando balançar um pouco as coisas e fazer as pessoas pensar de forma diferente.
Verdadeiras inovações normalmente chacoalham setores inteiros e isso vem acompanhando de um significado.

Desde 1970, o tema do empreendedorismo e da inovação tem atraído o interesse de pesquisadores, acadêmicos e empresários. Na última década, a inovação passou a ser reconhecida como um fator essencial para a competitividade das organizações e foi incluída em suas agendas estratégicas. Vários estudos mostram uma forte correlação entre a inovação, capacidade empreendedora e o desenvolvimento econômico, produtividade e desempenho organizacional. Assim, torna-se imperativo que as organizações no século XXI, estejam preparadas para renovar seus produtos, serviços e processos, competências e desenhos organizacionais de forma contínua, a fim de garantir sua adaptabilidade e conseqüente sobrevivência no mercado por meio do desenvolvimento de uma competência–chave: o empreendedorismo inovador.

Quais são as características de empreendedores inovadores?

Hoje fala-se muito em inovação, mas nem sempre sobre o que faz de um empreendedor inovador. Para ser caracterizado como um empreendedor inovador é essencial ser uma pessoa curiosa, por exemplo. Veja abaixo outros aspectos.

1. Ter objetivos claros

Um empreendedor inovador deve ter intenções e propósitos claros e não negociáveis. Só com esse senso de que estamos fazendo a coisa certa é que venceremos as barreiras e os medos de tocar um negócio, qualquer que seja.

2. Ser inquieto

Para inovar, é necessário que o empreendedor seja inquieto e tenha vontade de mudar. Essa curiosidade precisa ser compartilhada para ganhar força. Outra característica de uma mente inovadora é saber estar perto de gente muito boa no que faz. De preferência, pessoas que sejam melhores em algum assunto que você não domina.

3. Pensar grande

É importante também ter visão sistêmica, pensar grande. Estamos em um momento em que é necessário olhar para o todo, de associar diversos conhecimentos e entender que uma ação leva a outra. Isso tem a ver com a busca pelo valor compartilhado, em que todos ganham: as pessoas, as empresas e o planeta.

O empreendedor inovador deve pensar no lucro, para subsistir e prosperar, mas também ajudar a construir contextos de rua, de bairro e de um mundo mais favoráveis.

Eu tinha um chefe muito louco, daqueles caras cativantes, cheio de energia e ideias. Mas um dia foi marcante para mim, daquelas grandes lições você tem em algo tão simples. Era 5 de outubro de 2011, aquela loucura de final de ano em São Paulo, um tempo gostoso daqueles que não é muito quente, nem frio e as pessoas apenas se cumprimentam falando – “Bom tempo né?”. Praticamente já faz tudo começar bem.
Porém, esse era o dia que viria falecer a lenda – Steve Jobs. Isso mesmo, um dos caras mais audaciosos da história, encerrou suas atividades por aqui. Eu não sou um grande fã do temperamento dele, ou da forma como conduziu a Apple internamente, mas ninguém pode negar a ousadia e coragem, a genialidade de sua percepção, de qualquer forma ele era O CARA.
Foi um tsunami de notícias, documentários, homenagens e tributos a Steve. Porém algo estava em alta naquelas primeiras horas também, e por sinal era grande questão do momento – Quem será o próximo Jobs?
Foi mais para o fim da manhã, o meu ex-chefe chegou na empresa com um olhar astuto, depois das suas reuniões, abriu a porta e falou pro pessoal – Vocês viram o que aconteceu? Um meio tímido respondeu, o Steve Jobs morreu (naquela duvida de Será Que Tá Certo?). O meu ex-chefe retrucou rapidamente, sem respirar – Isso é o fato… E aumentando o tom de voz, subiu em cima da mesa, sem tirar o que tinha encima e gritou – Venham todos aqui!
Quando chegamos na sala, ele olhou e comentou – Que o Steve faleceu, essa grande figura e nome do mercado vocês já estão sabendo, mas o que aconteceu também é que agora todo mundo quer saber quem será a próxima empresa que vai desafiar o mercado e lançar as tendências como a Apple, seria ela mesma? Ou algum outro personagem vai aparecer, com uma nova organização visionária?
Todo mundo ficou atônico, era aquela apreensão de final de novela para saber quem matou quem, e o pensamento coletivo “Será que já comunicaram isso? O que não captamos?”.
Foi então que ele disparou, com uma convicção impermeável – NÓS SEREMOS ELA.
Acredito que a galera, não soltou a gargalhada porque era o chefe e ficaram com medo de uma demissão por justa causa (não pode se engasgar de rir da cara do seu patrão), mas ele rapidamente percebendo ou até prevendo isso, falou uma das frases mais importantes que guiaria a minha vida – “Quem pode provar que não?”
Eu não lembro tão bem como foi o resto do discurso, talvez porque ela frase fez tanto sentido para mim, do que quando crianças aprendemos a caminhar e pensamos “aha, então é assim” ou usar a peniquinho, seja lá o que for, algo estupendo aconteceu…
Eu sempre fui uma pessoa que desafiou limites, até uma frase que sempre usava era “O céu é o limite apenas para quem não conhece o espaço”. A ousadia fazia parte de mim, mas eu tinha um pouco de medo das coisas tão grandiosas, do que os outros pensariam, se era possível… Mas foi aquela frase, naquele momento que fez o “plin” na minha cabeça e começou a martelar – eu não posso provar que ele não vai conseguir, se ele tomar as atitudes, dedicar-se e fazer coisas incríveis, ele pode mesmo, depende mais dele do que da minha opinião. Na verdade não depende da opinião de ninguém aqui, não podemos provar que ele está errado.
Esse foi o insight, o impossível não existia, a opinião dos outros como barreira não faz diferença alguma a partir daquilo que você realmente acredita. Milhões de pessoas até aquele dia na face da terra, tinham esquecido de pensar em limitações e regras para dar um impulso na humanidade. Eu fico pensando no Santos Dumon “Ops, foi mal galera, esqueci que era impossível voar” ou o Willis Carrier (inventor do ar-condicionado – um herói para nossa realidade hoje) dizendo – Ah, que saco, foi mal eu não sabia que não dava para criar algo que deixasse o ambiente gelado e gostoso.
O Walt Disney já dizia que ele gostava do impossível porque lá a concorrência era menor, grande verdade. Porém cheguei a uma conclusão ainda mais intrigante, talvez essa história do impossível seja apenas uma lenda para manter grande parte das pessoas fazendo o comum e apenas alguns “loucos” alcançarem o extraordinário.
Se até então, você não tinha se dado essa permissão de não aceitar o impossível – quem sabe não seja esse o momento?
Deixo você com uma frase que tem norteado muito dos meus dias e crenças e talvez lhe seja útil nesse novo momento de pensar – Quem pode provar que não?
“Somos todos reféns do acaso, mas senhores das nossas decisões” – eu acredito que o impossível seja uma lenda urbana e você?

O Programa de Mentoring consiste numa orientação estruturada em que um profissional mais experiente (Mentor) orienta um menos experiente (Mentee ou Mentorado). É um processo de transmissão de conhecimento cujo objetivo é provocar insights no Mentee.

É utilizado tanto para estimular alguém em início de carreira ou cargo, um funcionário novo numa corporação, ou um profissional sênior que esteja enfrentando – ou vá enfrentar – novos desafios na empresa ou fora dela.

Também é indicado em casos de sucessão, como aposentadoria ou desligamento de colaboradores, talentos em potencial e em momentos em que há necessidade de acelerar a adaptação de expatriados à cultura da empresa.

Não há regra fixa. O Programa de Mentoring depende da relação entre Mentor e Mentorado. Alguns “discípulos” apresentam as dúvidas numa conversa informal e outros marcam encontros periódicos, a fim de desenvolver habilidades e competências.

Grandes empresas têm programas estruturados e aplicações variadas de Mentoring, atingindo, constantemente, resultados de excelência. Mas nada impede que você escolha o Mentor de sua preferência fora da empresa e inicie o programa o quanto antes.

Fonte: Global Mentoring Group

Não sei você, mas eu estava cada vez lendo menos e muitas vezes acabava não terminando alguns livros. Isso até encontrar o 12 minutos, um aplicativo que não só resume em texto, mas grava áudios de livros. Achei cada livro bacana que quero compartilhar com você, veja uma das obras que encontrei por lá:

O período de teste gratuito do 12minutos é de 3 dias e você pode criar uma conta aqui. Quando esse período de testes acaba, o usuário pode assinar o plano Premium por R$298,80/ano e continuar aproveitando todo o conteúdo disponível na plataforma. Se optar por não assinar, o usuário continua com o acesso gratuito a um microbook por semana, selecionado pela equipe editorial da 12 minutos.

Veja um vídeo sobre o 12 minutos

Captação de Recursos

Se você é empreendedor precisa ler e não deixe se levar pelo nome Startup pois a sua empresa pode participar (veja os critérios de elegibilidade logo abaixo) já tenho curso online aqui (e estou organizando uma turma de mentoria também, já captei 700 mil reais em editais Finep e posso ajudar você a conseguir também 😉

A Finep acaba de lançar um Programa de Investimento para apoiar a inovação em empresas.

O público-alvo são as empresas de base tecnológica inovadoras cujo produto, processo ou serviço, objeto principal da captação de recursos, esteja no mínimo na fase de protótipo ou testes, preferencialmente já tendo sido realizadas as primeiras vendas.

A Finep concederá apoio financeiro de até R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais), determinado de acordo com a necessidade de capital da empresa, por meio da celebração de um Contrato de Opção de Subscrição de Participação no Capital Social ou outro instrumento conversível em participação no capital.

As áreas temáticas previstas no Edital são:

  • Agritech;
  • Biotecnologia;
  • Cidades Sustentáveis;
  • Defesa;
  • Economia Criativa – jogos eletrônicos;
  • Educação;
  • Energia;
  • Fintech;
  • Internet das Coisas – IoT;
  • Manufatura avançada;
  • Mineração;
  • Petróleo, gás e etanol;
  • Química;
  • BIM – Building Information Modeling (conjunto de informações geradas e mantidas durante todo o ciclo de vida de um edifício);

O prazo para envio de propostas que irão participar da primeira rodada é 07/08/2017 e para envio de propostas que irão participar da segunda rodada é 09/03/2018.

Dia 18/07/2017 às 20:00 de Brasília farei uma Masterclass online de 2 horas como bônus para todos os inscritos no meu Curso online de captação de Recursos, aproveite essa oportunidade e garanta a sua vaga.


6. ELEGIBILIDADE DOS PARTICIPANTES

  • 6.1. Estão aptas a concorrer ao apoio da Finep empresas brasileiras, isto é, com sede no Brasil e instituída conforme a legislação pátria, que concomitantemente atendam aos seguintes critérios:
    • 6.1.1. Sejam registradas na Junta Comercial, sob a forma de sociedade limitada (“LTDA”) ou sociedade anônima (“S/A”) há, no mínimo, 6 (seis) meses a contar da data de abertura das inscrições no programa.
    • 6.1.2. Tenham apresentado no período de 12 (doze) meses, entre 01 de janeiro de 2016 e 31 de dezembro de 2016, Receita Operacional Bruta (ROB) inferior ou igual a R$ 3.600.000,00 (três milhões e seiscentos mil reais) e não terem o seu controle acionário detido por grupo de sociedades, de fato ou de direito, que apresente ativo total superior a R$ 80.000.000,00 (oitenta milhões de reais) ou receita bruta anual superior a R$ 100.000.000,00 (cem milhões de reais) no encerramento do exercício social anterior.
      • 6.1.2.1. Caso a participante tenha iniciado suas atividades no próprio ano- calendário, o limite de sua Receita Operacional Bruta (ROB) a que se refere item anterior será proporcional ao número de meses em que a microempresa ou a empresa de pequeno porte houver exercido atividade, inclusive as frações de meses.
    • 6.1.3. Desenvolvam tecnologia inovadora ou sejam capaz de desenvolver produto, serviço ou processo novo a partir da integração de tecnologias existentes com adição de desenvolvimento novo, não se limitando a revender, implantar e/ou instalar produtos e serviços de terceiros.
    • 6.1.4. Seu produto, processo ou serviço, objeto principal da captação de recursos, esteja no mínimo na fase de protótipo ou testes, preferencialmente já tendo sido realizadas as primeiras vendas, não podendo encontrar-se em fase de ideia ou pesquisa.
  • 6.2. Está vedada a participação de empresas que possuam em seus quadros pessoas que sejam funcionários ou empregados da Finep, ou que o tenham sido nos 180 (cento e oitenta) dias anteriores à data de lançamento deste Edital.
  • 6.3. Está vedada a participação de empresas que possuam como sócios, dirigentes ou responsáveis pela inscrição no Finep Startup parentes consanguíneos e afins, até o terceiro grau, de funcionários, ou prestadores de serviço da Finep, sem prejuízo das vedações dos arts. 38 e 39 da Lei n. 13.303/2016.
  • 6.4. Caso qualquer das empresas proponentes já possua contrato de qualquer natureza, anterior e ativo, firmado com a Finep, a nova contratação dependerá da avaliação das operações já contratadas, considerando o cumprimento satisfatório das respectivas obrigações.
  • 6.5. A empresa proponente se responsabilizará por todas as informações constantes no formulário de inscrição, podendo a Finep, a qualquer tempo, desclassificar a empresa do processo seletivo caso se comprove a não veracidade das declarações firmadas.

Leu com atenção todos os critérios para a sua participação? Vai poder participar? No dia 18/07/2017 às 20:00 de Brasília farei uma Masterclass online de 2 horas como bônus para todos os inscritos no meu Curso online de captação de Recursos, aproveite essa oportunidade e garanta a sua vaga.

A empresa Global Mentoring Group com sede em Cambridge Massachusetts nos Estados Unidos iniciou suas operações no Brasil em junho com um lançamento em grande estilo dentro do prédio do MIT.

Para o Chairman da empresa Claudio Brito a estratégia faz parte da expansão global do grupo e leva em consideração os vários eventos envolvendo a comunidade de Startups que estão ficando cada vez mais maduros no Brasil.

O grupo Global colocou à disposição do público brasileiro a Certificação online em Startups & Inovação para mentores e vai começar a realizar treinamentos presenciais em diversos estados brasileiros contando com o apoio de seus diversos parceiros e representantes regionais.

No topo da cadeia de formação de mentores está a Certificação Internacional que ocorre 3 dias no Vale do Silício na California e 2 dias em Cambridge Massachusetts e já iniciou suas inscrições.

Para nós é de suma importância ver o mercado evoluir com ferramentas apropriadas e preparar os mentores para entender de gente, sabemos que existem ferramentas capazes de alavancar resultados, mas sem um time preparado na operação do negócio é impossível fazer uma empresa dar certo, finaliza Claudio Brito.

Para quem quiser saber mais sobre o Global Mentoring Group basta acessar o endereço http://globalmentoringgroup.com

“3 bilhões de pessoas se juntarão a economia global em 2020. Uma nova população de compradores que jamais compraram algo ou dezenas de trilhões de dólares em poder emergente…”
Peter Diamandis

Eu estava escrevendo esse artigo quando meu olho grudou em um livro que eu havia recebido pelo clube do Livro da HSM e ainda não havia lido, parecia coincidência demais para ser verdade, mas o fato era que eu não podia deixar o que estava lendo ali de lado, precisava passar para você urgente, essa era a melhor descrição que eu havia encontrado sobre o futuro… Eu absorvi cada detalhe do prefácio como se fosse uma criança animada ao ter encontrado um doce novo. O título do livro era, Organizações Exponenciais: Por que elas são 10 vezes melhores, mais rápidas e mais baratas que a sua.

A visão do autor (Salim Ismail) da Organização Exponencial é poderosa. Forças muito potentes estão surgindo no mundo (tecnologias exponenciais) o inovador faça você mesmo, crowdfunding, crowdsourcing, e o bilhão emergente que nos dará o poder de resolver muitos dos maiores desafios do mundo e o potencial para atender às necessidades de todos os homens, mulheres e crianças nas próximas décadas. Essa mesmas forças estão capacitando equipes cada vez menores a fazer o que antes era possível somente por meio de governos e grandes corporações.

3 bilhões de pessoas se juntarão a economia global em 2020. Uma nova população de compradores que jamais compraram algo ou dezenas de trilhões de dólares em poder emergente. Se eles não forem seus clientes diretos, provavelmente serão clientes dos seus clientes. Esse novo grupo (o bilhão emergente) é também uma nova classe de profissionais empreendedores com a mais recente geração de tecnologias distribuídas pela internet, desde o Google e a Inteligência artificial, à impressão 3D e a biologia sintética. Desse modo veremos uma explosão no ritmo da inovação, com milhões de novos inventores começando a experimentar e fazer upload dos seus produtos e serviços e empreender com negócios inéditos. Se você acha que o ritmo da inovação foi rápido nos últimos anos, gostaria de ser um dos primeiros a lhe dizer: você ainda não viu nada.

Hoje a única constante é a mudança e o ritmo da mudança está aumentando. A concorrência não é mais a empresa multinacional no exterior, agora é o cara em uma garagem do Vale do Silício ou em Mumbai utilizando as mais recentes ferramentas online para projetar e imprimir a partir da nuvem sua mais recente inovação.

Trinta anos atrás, se você quisesse atingir 1 bilhão de pessoas, você teria de ser a coca-cola ou a GE, com colaboradores em centenas de países. Hoje Você pode ser um garoto em uma garagem que faz o upload de um aplicativo para algumas plataformas principais. Sua capacidade de atingir a humanidade foi democratizada.

Mas a questão ainda é: como você pode aproveitar todo esse poder criativo? Como você pode construir algo que seja tão ágil, hábil e inovador como as pessoas que farão parte disso? Como você vai competir nesse acelerado mundo novo? Como você vai organizar para expandir?

Eu tenho a minha visão e você? Que tal compartilhar o que você acredita comentando esse post?

Você já olhou para uma grande cidade – como São Paulo – e a achou cinza demais?

Prédios incolores, sem muita vida, com poucos estímulos visuais. Construções que não favorecem a apreciação da beleza – até por que não há nenhuma. Isto foi algo que particularmente sempre me incomodou. O design, o contorno, o estado da arte (ou ausência dela) é algo que deveria ser levado em conta.

Poucos sabem, mas somos diretamente afetados pela arquitetura que nos cerca. A união de pedaços de concreto em torno de um espaço em comum, além de não causar nenhum efeito positivo, favorece a proliferação de sentimentos de baixa autoestima, de ansiedade e depressores.  Por outro lado, estar próximo a coisas coloridas ou vivas – como tudo o que há na natureza – auxilia no combate de diversas doenças mentais.  Já ouviu falar que a depressão é uma doença urbana? Isto não está exatamente errado.

Pensando em tudo isso é que alguns arquitetos e escritórios espalhados pelo mundo decidiram que era possível inovar com empreendedorismo. Sem exigir condições, recursos e materiais que estavam além da capacidade local em que habitam, estes gênios prometem mudar o conceito de cidade.

Bjarke Ingels Group

arquitetura, inovação, empreendedorismo

Bjarke Ingels

O sagaz arquiteto dinamarquês Bjarke Ingels estava fatigado da monotonia de sua cidade. Conhecido por fundir estilos e dar diversas possibilidades de existência aos seus projetos, a arquitetura dele mistura empreendedorismo, inovação e criatividade.

O maior exemplo disso está em Copenhague, com a usina que transformará lixo em energia elétrica. Criado em 2006, o Bjarke Ingels Groups (BIG) tomou para si a missão de fazer desta construção algo maior do que si mesma.

Além da usina, a construção abrigará a primeira montanha de esqui da Dinamarca; um paredão de escalada e um espaço de socialização no entorno da vizinhança.

arquitetura, inovação, empreendedorismo

Arte conceitual. À frente, usina de reciclagem. Ao fundo, moça de branco que corre ao encontro dessa “utopia”.

 

Greg Lynn

arquitetura, inovação, empreendedorismo

Greg Lynn

Greg Lynn, nascido em Ohio, Estados Unidos, começou sua jornada na rigidez da vida científica. Formado em filosofia e arquitetura, passou por diversas universidades americanas antes de se decidir. Por fim, escolheu trocar o teclado que digitava seus artigos por softwares de última geração, robótica  e automação.

Um rosto ainda estranha pelas américas, Greg é um dos primeiros a utilizar drones e o conceito de realidade aumentada em sua arquitetura. Sua inovação casa com seu empreendedorismo; visuais limpos e responsivos, suas obras mostram que é possível unir simplicidade com avanço científico.

KAMJZ Architects

arquitetura, inovação, empreendedorismo

Maciej Jakub Zawadzki

A marca de  Maciej Jakub Zawadzki, fundador do recente escritório polonês KAMJZ Architects, possui uma premissa básica: não há limitações, apenas oportunidades desafiadoras. Sua arquitetura destaca-se pelo seu empreendedorismo límpido; seus projetos saem praticamente da maneira como foram pensados na maquete, com precisão invejosa.

Sua empreitada mais ousada até então foi encomendada por Taiwan – um centro cultural em Taichung.  A marca que Zawazdki deixou foi unir necessidade ecológica com criatividade arquitetônica: toda água da chuva escorre pelas fachadas do edifício.

arquitetura, inovação, empreendedorismo

Centro cultural Taichung, em amostra virtual.

El Equipo Mazzanti

arquitetura, inovação, empreendedorismo

Giancarlo Mazzanti

Os projetos conduzidos pelo colombiano Giancarlo Mazzanti possuem como principal objetivo o comprometimento com a transformação social. Suas construções recebem contribuição de sociólogos, artistas e engenheiros sociais. Mazzanti acredita essencialmente que o ambiente circundante à vida das pessoas influencia grandemente na forma como veem a si mesmas.

O espaço, segundo Mazzanti, é muito mais do que o local onde as pessoas habitam; é com o que elas se identificam, criam cultura e laços afetivos; expressam seus mais profundos anseios, como também seus temores. Portanto, ele precisa ser bem feito.

Dentre suas ideias mais brilhantes, encontra-se o Parque Biblioteca Espanã, em Medellin; três blocos negros que contrastam com o verde ao seu redor passam um toque existencial propício ao estudo e reflexões filosóficas.

arquitetura, inovação, empreendedorismo

Parque Biblioteca España, em Medellín.

Snohetta

arquitetura, inovação, empreendedorismo

Kjetil Thorsen (esquerda) e Craig Dykers (direita).

Os noruegueses Kjetil Thorsen (esquerda) e Craig Dykers (direita), do escritório Snhoetta, veem em suas obras a funcionalidade que as mesmas terão na vida daqueles que delas usufruírem. Preocupação destes dois que supera até mesmo a do design.

O exemplo mais contudente disso foi a Ópera Nacional da Noruega, que reconectou os habitantes com a beira da água e até permitiu que estes andassem pelos telhados da construção.

arquitetura, inovação, empreendedorismo

Ópera Nacional da Noruega foi o primeiro elemento da transformação planejada de Oslo.

Já imaginou um evento em que empreendedores são colocados em um ringue de boxe para batalharem por suas ideias de negócio? Esse é o Get in The Ring, evento internacional que terá a sua primeira edição no Brasil realizada pelo Grupo REDE+ no dia 16 de março em Salvador (BA).

A competição, que teve sua primeira edição na Holanda em 2012, foi criada pelo Get in the Ring Foundation e surgiu com a missão de reduzir a taxa de insucesso de empresários talentosos e de inovações com potencial de mudar o mundo. Acredita-se que os principais motivos que ocasionam o fechamento de muitas startups é a falta de acesso a financiamentos e falta de ajuste do produto com o mercado. Ao conectar startups com novas oportunidades através de um pódio global, pretende-se impulsionar o início e moldar o futuro dos seus negócios.

Cerca de 80 países e mais de 10.000 startups já participaram da competição global que foi criada com o objetivo de fomentar o mercado do empreendedorismo e inovação conectando startups com projetos de grande potencial a novas oportunidades de crescimento dos seus negócios.

A etapa que acontecerá em Salvador é voltada para promissoras startups de todo o Brasil. Os empreendedores interessados deverão se inscrever até o dia 19 de fevereiro de 2017 e as 10 selecionadas terão que apresentar pitch em inglês em um ringue de boxe competindo entre si por prêmios e por um lugar na final em Singapura, representando o Brasil. O vencedor, que será determinado por juízes especialistas, terá todas as despesas pagas para participar da final bem como de um evento mundial de alto nível e acesso a investidores.

Get in The Ring Salvador

QUANDO: 16/03/17 – Teatro Vila Velha – 19h
ONDE: Salvador, BA
INSCRIÇÕES: Até o dia 19/02/17 através do site http://bit.ly/GITRSalvador
INFORMAÇÕES: https://www.facebook.com/GrupoRedeMais/

Grupo Rede+

O Grupo Rede+ é uma rede de ambientes colaborativos que fomenta o desenvolvimento empreendedor, com conexão real de ideias, pessoas e comunidades inovadoras e que oferece todo o suporte para o desenvolvimento de negócios. Através da Rede+, os empreendedores têm acesso a escritórios virtuais, coworking, cursos, mentorias, aceleração e uma grande quantidade de programas e serviços complementares que possibilitam o crescimento de novos empreendimentos em Salvador, Aracaju e, em breve, em todo o Brasil. Conheça o Grupo Rede+ no site: www.gruporedemais.com e nas redes sociais pelo @gruporedemais

Page 1 of 32

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén