Acelera Startups

Google Brasil investirá R$ 10 milhões em projetos de impacto social

Acelera Startups

O Google Brasil lançou ontem, 23 de fevereiro, a segunda edição do Desafio Google de Impacto Social, que distribuirá R$ 10 milhões para 10 ONGs (2 por região do país) com projetos que usem a tecnologia para enfrentar problemas sociais, em qualquer segmento.

“Qualquer tecnologia. Não há nenhuma obrigatoriedade de que sejam ferramentas ou produtos Google, muito menos tecnologias digitais”, explica Fábio Coelho, presidente da Google Brasil.

Quatro iniciativas – uma eleita pelo público por votação online e três escolhidas por um juri formado por Regina Casé, Marta (jogadora da seleção brasileira de futebol feminino e embaixadora da ONU), Chefe Almir Suruí (líder do povo indígena Suruí), Denis Mizne (CEO da Fundação Lemann), Adriane Varejão e Jacquelline Fuller (Diretora da Google.org) _ receberão R$ 1,5 milhão cada, além de assistência técnica e mentoria para tornar seus projetos realidade. Outros seis projetos finalistas receberão R$ 650 mil, cada. Os prêmios serão pagos pela Google.org, braço filantrópico do Google.

Criado em 2004, a Google.org destina 1% da receita do Google para filantropia. Anualmente, investe 1 bilhão de dólares em projetos que minimizem e combatam desastres naturais, apoiem iniciativas globais (como as realizadas recentemente em prol dos refugiados na Europa) e apoiem novas comunidades, como é o caso do Desafio Google de Impacto Social. Em 2014/2015 o Brasil foi o terceiro país a sediar o desafio, depois de Reino Unido e Índia, e distribuiu R$ 7 milhões.

A exemplo da primeira edição, qualquer organização não governamental ou sem fins-lucrativos legalmente constituída no Brasil e que tenha um projeto de impacto social necessitando de recursos financeiros para avançar em seus propósitos está convidada a se inscrever através do site g.co/desafiobrasil. Os critérios para inscrição também estão disponíveis no site.

Na fase de inscrição, que termina em 21 de março, a ONG terá que informar sobre o plano de implementação e o orçamento do projeto. O pagamento do prêmio será feito de uma vez, mas o Google irá acompanhar de perto a gestão dos recursos e o cronograma de implementação do projeto, que pode levar até três anos.

Uma equipe do Google analisará todas as inscrições elegíveis recebidas. Dez projetos finalistas serão anunciados no dia 23 de maio. A partir daí, os internautas brasileiros serão convidados a participarem de uma votação popular que elegerá um projeto. O resultado final será conhecido no dia 14 de junho.

“Este ano, o prazo para análise está um pouco mais curto, mas temos mais gente no Google focada nesta tarefa”, explica Flavia Simon, diretora de Marketing de Consumo do Google Brasil. A expectativa é a de que a empresa receba a inscrição de mais de mil projetos. “Em 2014 foram 750. Mais que volume, no entanto, esperamos ter projetos de qualidade, que realmente gerem impacto e que sejam escaláveis, facilmente replicáveis”, diz ela.

Os projetos finalistas da primeira edição continuam em desenvolvimento, gerando resultados. Vencedor na votação popular, o app móvel do Geledés Instituto da Mulher Negra, para apoiar mulheres vulneráveis à violência doméstica através de um botão de pânico e acesso a informações sobre legislação e uma rede de apoiadores treinados, já está em uso por duas voluntárias em Porto Alegre e começa a despertar o interesse de outras secretarias de segurança pública, no Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo.

Já a ideia da máquina de gelo movida a energia solar, do Instituto Mamirauá, destinada a otimizar a estocagem de pescado em pequenas comunidades na Amazônia, se tornou realidade. Hoje quatro máquinas geram 750 Kg de gelo por dia.

A rede Minha Cidade, por sua vez, que conta com uma série de aplicativos para conectar cidadãos e governos municipais, e estava inicialmente limitada à cidade do Rio de Janeiro, começou a operar em São Paulo, Recife, Blumenau, Campinas, Garopaba e Ouro Preto.

“Nossa intenção é ter projetos que, de fato, contribuam para resolver problemas de todos os tipos: ambientais, educacionais, da área de saúde e muitos outros”, afirma Fábio Coelho.

Segundo Flavia Simon, a equipe do Google estuda também a possibilidade de dar visibilidade a outros projetos que, por vários motivos, “bateram na trave” durante o processo de curadoria do Google, para que outras empresas de interessem em apoiá-los. ” Em 2014 recebemos uns 100 projetos bem interessantes. Espero que vários deles voltem a se inscrever. E talvez possamos apoiar vários deles de outra forma”, explica a executiva.

Confira a apresentação do programa, edição 2016:

Claudio Brito

Claudio Brito é especializado em Marketing Digital pela Fecap-SP e em Dinâmica de Grupo pela SBDG, tem 19 anos de experiência e participou de treinamentos internacionais com mestres como Alexander Osterwalder, Steve Blank e Eric Ries. Foi selecionado pela Endeavor para o curso “Building a High Growth Business” em Babson, faculdade No. 1 em empreendedorismo nos EUA. No Brasil, participa ativamente do desenvolvimento do mercado inclusive organizando missões empresarias para o Vale do Silício onde apresenta empresas como Google, Apple e Evernotes. É facilitador do Empretec, palestrante e mentor de startups. Como empresário, mantém a Acelera Startups uma comunidade digital que já atingiu 20.000 empreendedores em 47 países.

Acelera Startups

Email Newsletter

Inscreva-se para receber notícias, novidades e ideias no seu email.

Redes Sociais

Acesse nossas Redes Sociais para saber mais novidades da Acelera Startups.

Siga-nos

Não seja tímido para entrar em contato. Adoramos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos.

Negócio de Suce$$o

eBook Negócio de Suce$$o

Tem ideia de um negócio promissor mas não sabe por onde começar? Com esse ebook sua ideia vai decolar!

Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.