Acelera Startups

O que muda na vida das startups com a nova Lei do Super Simples?

Acelera Startups

No dia 27 de outubro foi sancionada a Lei Complementar 155, que mudou as regras do regime especial de tributação do Simples Nacional e ainda inseriu a figura do Investidor-anjo no contexto. A lei, em seus artigos 61 do A ao D, definem a estrutura de investimento-anjo e segurança jurídica para esta modalidade de aporte de capital.

Na prática, agora uma startup enquadrada no Simples pode admitir em sua empresa a entrada de um sócio investidor não caracterizando o investimento como receita tributável, como ocorria anteriormente. Além disso, a empresa não corre mais o risco de ser descaracterizada do Simples Nacional perdendo o direito de pagar os tributos de forma diferenciada.

Mais que isso, assim será possível, por exemplo, distribuir dividendos se houver, passando a ser uma alternativa para o retorno sobre o capital investido pelo Investidor-anjo.

A outra vantagem pra as startups é que a Lei também obriga o investidor a permanecer e manter o capital investido por no mínimo, dois anos e até no máximo sete anos, o que no fundo fica alinhado com interesse em ambas as partes, uma vez que a perspectiva média de saída/retorno de um investidor qualificado no mercado é de sete anos.

Portanto, essa é sim uma excelente notícia para o ecossistema de startups no Brasil. Isso porque pessoas físicas e jurídicas poderão fazer aportes de capital, sem serem consideradas sócias do empreendimento, sem participação na gerência ou voto na administração da empresa. Com isso e por outro lado, estes investidores passarão a não responder pelas dívidas da empresa, inclusive em relação a recuperação judicial.

Apesar de já usarmos instrumentos como mútuo conversível, SPE, SCP, entre outros modelos em empresas limitadas, existem discussões na Receita Federal, por exemplo, em relação à tributação ao uso da SCP para este propósito. Até porque, as empresas sócias de uma SCP, segundo o entendimento da Receita, é que elas não podem beneficiar-se do tratamento jurídico diferenciado do Simples.

Atenção! A Lei não é válida para empresas fora do Simples Nacional e não é obrigação por conta desta nova Lei, a startup alterar o seu modelo de contato atual com o investidor (como mútuo conversível, por exemplo). Isso é uma decisão de cada negócio e seus investidores.

É importante afirmar que esta Lei de fato buscou resolver um dos principais entraves para o crescimento do investimento-anjo em startups, que é prover segurança jurídica para investidores e consequentemente, possibilitar o aumento do volume de capital disponível para os Empreendedores e suas startups. Porém, muitas coisas ainda precisam ser discutidas como em relação à questão tributária que deve ainda passar por alguma regulamentação ou cartilha interna na Recita Federal, seja no tratamento do dividendos, se houver, seja diretamente na caracterização do aporte/investimento como receita tributável na empresa.  Outro ponto para esclarecer é em relação a entrada do Investidor-anjo no contrato social da empresa, alguns juristas que consultei entendem que sim outros que não, pois a nova Lei não é bem clara nesse sentido.

Meu objetivo com este artigo não é só comentar a nova Lei, mas no sentido de orientar e alertar que esses pontos ainda devem ser bastante debatidos dentro dos órgãos competentes de fiscalização e controle, inclusive no judiciário, para que funcionem 100% alinhados com o correto entendimento.

Fonte: http://startupi.com.br/2016/11/o-que-muda-na-vida-das-startups-com-nova-lei-do-super-simples/

Claudio Brito

Claudio Brito é especializado em Marketing Digital pela Fecap-SP e em Dinâmica de Grupo pela SBDG, tem 19 anos de experiência e participou de treinamentos internacionais com mestres como Alexander Osterwalder, Steve Blank e Eric Ries. Foi selecionado pela Endeavor para o curso “Building a High Growth Business” em Babson, faculdade No. 1 em empreendedorismo nos EUA. No Brasil, participa ativamente do desenvolvimento do mercado inclusive organizando missões empresarias para o Vale do Silício onde apresenta empresas como Google, Apple e Evernotes. É facilitador do Empretec, palestrante e mentor de startups. Como empresário, mantém a Acelera Startups uma comunidade digital que já atingiu 20.000 empreendedores em 47 países.

Acelera Startups

Email Newsletter

Inscreva-se para receber notícias, novidades e ideias no seu email.

Redes Sociais

Acesse nossas Redes Sociais para saber mais novidades da Acelera Startups.

Siga-nos

Não seja tímido para entrar em contato. Adoramos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos.

Negócio de Suce$$o

eBook Negócio de Suce$$o

Tem ideia de um negócio promissor mas não sabe por onde começar? Com esse ebook sua ideia vai decolar!

Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.