Quem nunca quis que sua ideia vendesse?

Não precisa necessariamente ser um empreendedor. Em qualquer âmbito de nossa vida, precisamos apresentar propostas e projetos para conseguirmos algo que desejamos. Pode ser aquele emprego dos sonhos ou a permissão dos pais para dar uma festa em casa.

Aonde eu quero chegar? Seu futuro depende de quanto valor suas ideias possuem no mundo. Em outras palavras, é preciso validar sua ideia. Se estamos falando de um negócio/empreendimento, este é o primeiro grande a se dar.

Aqui neste artigo, o que você irá ganhar:

  • uma técnica atualizada e simples de validação de ideia, por Steve Blank
  • o que você deve fazer para sua ideia ser colocada na gaveta para sempre
  • um ebook gratuito para montar um Negócio de Sucesso

Validação de Ideia: como faz?

Certa vez, ainda na adolescência, comecei a vender alguns sanduíches na escola. No início não deu lá muito certo. Até que decidi conversar com meu público em potencial. Montei alguns lanches por um por preço simbólico e perguntei o que achavam e o que dava para melhorar.

Não demorou para que eu criasse uma boa noção do que meus clientes desejavam e as vendas fluíssem. Não sabia que, desde aquela época, estava aplicando um princípio chave de um dos maiores empreendedores do mundo: Steve Blank.

A validação de uma ideia junto ao seu público alvo é uma das etapas mais importantes de um novo negócio. O modelo inventado pelo americano Steve Blank tem se mostrado muito efetivo nesse aspecto, pelos seguintes motivos:

  • considera criar um pivot anterior ao produto viável mínimo (MVP, em ingês)
  • apresentar a ideia ao mercado alvo para colher feedbacks
  • a partir dos dados coletados, fazer as devidas alterações no projeto e lançá-lo ao público novamente. Realizar esse movimento até que esse pivô possa se tornar um MVP e de fato ser explorado no mercado como um produto.

A venda em si: melhor forma de validação

Uma das melhores formas de validação de ideia é a própria venda. Além de afastar opiniões jogadas ao vento  e por pessoas desinteressadas na sua ideia, você pode  saber de fato as dificuldades reais de vender o produto ou serviço que está criando.

O cliente lhe dará  um feedback valioso para você descobrir o que lhe chamou atenção, a ponto de ele abrir a carteira e pagar pelo seu produto. Do contrário, quando o seu público não compra, você recebe um feedback no sentido de permitir a melhoria do seu serviço com uma avaliação real para torná-lo rentável. Conclusão que só deve ser tomada após conversar com diversos clientes.


Apresentando o pivô como uma ideia

Outro ponto que Steve Blank destaca nesta etapa é a apresentação do pivô apenas como uma ideia, pois isso evita custos extras com o desenvolvimento de algo ainda inacabado e que pode ser facilmente rejeitado pelo cliente.

Um bom exemplo seria eu apresentar o conceito de uma camisa que não acumula odor mesmo após a ida à academia de ginástica. Eu posso apresentar o conceito e até dizer o preço a um cliente sem me preocupar com a cor ou o design da camisa, item que se for desconsiderado pode me custar dinheiro para desenvolver o design e com a chance de ser rejeitado pelo cliente.

Sem contar o risco de deixar de lado a própria validação de sua ideia: uma camisa que não retém odor após uma ida a ginástica.

O que aprendemos?

Vamos recapitular o que foi comentado nesse artigo!

  • Antes de montar seu produto viável mínimo, crie um pivô para apresentar aos seus clientes.
  • Colha os feedbacks que lhe forem dados, tantos os das vendas, quanto daquelas pessoas que decidiram não comprar.
  • Retorne ao projeto e depois às vendas novamente.
  • Apresente seu pivô não como um produto, mas sim como ideia: isso lhe poupa gastos desnecessários e o auxilia a se conectar com a validação de ideia que deseja.

Vamos aplicar?

Como validar a sua ideia de negócios

Como validar a sua ideia de negócios