A maior escola online de startups do Brasil

Tag: liderança

VOCÊ PODE DE ALGUMA FORMA SE TORNAR MAIS INOVADOR?

Quem não quer ser mais inovador?

A inovação é poder. É criatividade e é a originalidade. É a dinamite que muda as indústrias, cria “unicórnios” do Vale do Silício e molda o seu legado.

Se você pudesse de alguma forma se tornar mais inovador…

Parte da razão que as pessoas têm dificuldade para serem inovadores é que elas não entendem o conceito disso.

A inovação é popularmente assumida por ser alguma força misteriosa do Ste ve Jobs – a capacidade de puxar coelhos brancos da cartola em uma demonstração inspiradora de brilho genuíno, criatividade escaldante e visão de mudar o mundo.

A inovação produziu maravilhas como o avião, o automóvel, o semicondutor, o computador pessoal, o iPhone, o conceito de Uber, o modelo de negócio do Airbnb, e assim por diante.

Em outras palavras, obviamente, a inovação é algo muito além do alcance dos meros mortais.

Na realidade, a inovação é algo que cada um de nós poderia melhorar. Enquanto algumas pessoas são de fato mais (ou menos) privilegiados intelectualmente, qualquer um pode tomar algumas medidas simples para melhorar a capacidade de inovação.

Inovar é simplesmente fazer mudanças para o melhor, geralmente com algum novo método, produto, processo ou procedimento. Um gerente pode ser um inovador. Um escritor de conteúdo pode ser um inovador. A inovação pode fluir de um responsável pelo marketing dentro da própria empresa, um empreendedor individual, de um proprietário de uma empresa, e praticamente qualquer outra pessoa que decide que quer fazer uma mudança.

Então, como você pode se tornar mais inovador?

1. Observe.

Observação é o cerne da inovação. O escritor da Fast Co. David Brier pesquisou a vida e obra de Steve Jobs e do Sir Richard Branson, dois inovadores notáveis da era moderna. Aqui está o que ele descobriu.

“Cheguei à conclusão de que esta era a única diferença entre o inovador e a pessoa comum: um viu os pontos e os conectou enquanto os outros: 1) não os viu ou 2) se o viram, eles não exploraram, perguntaram ou conectaram qualquer um deles.”

Vendo os pontos e ligando os pontos. Esse é o espírito da inovação.

Em outras palavras, os inovadores permanecem atentos e curiosos ao invés de simplesmente deixar que a vida aconteça. Eles examinam o que acontece e buscam maneiras de torná-la diferente.

2. Ligue os pontos intencionalmente.

A inovação começa com a observação, mas o verdadeiro estalo inicial acontece quando você liga os pontos.

O que significa ligar os pontos? Ligar os pontos é pensar em uma experiência ou algum conhecimento em relação a outros pontos que podem ou não podem aparecer naturalmente relacionados.

O conceito é surpreendentemente simples, mas incrivelmente difícil de implementar. Ela exige uma mentalidade holística, uma de emparelhamento, associação e unidade em oposição a uma de singularidade, independência e categorização excessivamente analítica.

Vamos usar o Airbnb como um exemplo. O Airbnb começou com a ideia de proporcionar alojamento a preços acessíveis para as pessoas. Ao invés de ir no rumo habitual de hotéis e motéis, eles simplesmente pegaram essa ideia e alinharam com o seu conhecimento existente. As pessoas têm casas de todas as formas e tamanhos. Melhor ainda, casas estão em toda parte! Assim nasceu o Airbnb.

De um conceito simples, mas incrivelmente inovador.

O Uber usa um princípio semelhante na sua ao tornar disruptiva a indústria de táxi. Em vez de seguir em frente melhorando o serviço de táxi, construir uma infraestrutura de transporte público ou diminuir as emissões dos veículos, eles fizeram algo muito mais simples – permitiram que as pessoas paguem por passeios em veículos de outras pessoas.

Observar! Eis a inovação.

Você pega uma parte do conhecimento – uma ideia, desejo, plano ou meta – e olha para as conexões com outras partes do conhecimentos, condições, ferramentas e situações. É simples, mas difícil, eu sei.

A Inovação é provocada quando você começa a olhar para as coisas e fazer conexões entre o que você vê, sabe e pensa.

3. Rejeite o conceito de não poder.

A inovação é inclusiva e otimista. Ela permite conceitos, conhecimentos e experiência de todos os palcos da vida.

A inovação tem um arqui-inimigo: o não poder.

“Eu não posso”, “nós não podemos”, “aquilo não pode”, “isso não pode” – este processo difícil de pensamento é letal para a inovação.

Veja os “não posso” em seu pensamento como obstáculos e oportunidades temporárias para o crescimento. Eles existem por um momento, e com esse momento, lhe é concedida uma oportunidade de fazer melhorias, sejam eles na forma de opções, energia, recursos, pessoal, ou estratégia. Essas escolhas podem neutralizar suas dúvidas.

Muitas vezes, a coisa mais útil que você pode fazer para superar a dúvida é ver as coisas que você achava que eram impossíveis como possíveis.

Tudo e nada é possível, em certa medida. Pense como que começará a desgastar os seus bloqueios e abrir caminho para a inovação.

4. Abrace o desconforto.

A inovação é popularmente assumida por ser alguma força misteriosa do Ste ve Jobs – a capacidade de puxar coelhos brancos da cartola em uma demonstração inspiradora de brilho genuíno, criatividade escaldante e visão de mudar o mundo.

A inovação produziu maravilhas como o avião, o automóvel, o semicondutor, o computador pessoal, o iPhone, o conceito de Uber, o modelo de negócio do Airbnb, e assim por diante.

Em outras palavras, obviamente, a inovação é algo muito além do alcance dos meros mortais.

Na realidade, a inovação é algo que cada um de nós poderia melhorar. Enquanto algumas pessoas são de fato mais (ou menos) privilegiados intelectualmente, qualquer um pode tomar algumas medidas simples para melhorar a capacidade de inovação.

Inovar é simplesmente fazer mudanças para o melhor, geralmente com algum novo método, produto, processo ou procedimento. Um gerente pode ser um inovador. Um escritor de conteúdo pode ser um inovador. A inovação pode fluir de um responsável pelo marketing dentro da própria empresa, um empreendedor individual, de um proprietário de uma empresa, e praticamente qualquer outra pessoa que decide que quer fazer uma mudança.

Então, como você pode se tornar mais inovador?

1. Observe.

Observação é o cerne da inovação. O escritor da Fast Co. David Brier pesquisou a vida e obra de Steve Jobs e do Sir Richard Branson, dois inovadores notáveis da era moderna. Aqui está o que ele descobriu.

“Cheguei à conclusão de que esta era a única diferença entre o inovador e a pessoa comum: um viu os pontos e os conectou enquanto os outros: 1) não os viu ou 2) se o viram, eles não exploraram, perguntaram ou conectaram qualquer um deles.”

Vendo os pontos e ligando os pontos. Esse é o espírito da inovação.

Em outras palavras, os inovadores permanecem atentos e curiosos ao invés de simplesmente deixar que a vida aconteça. Eles examinam o que acontece e buscam maneiras de torná-la diferente.

2. Ligue os pontos intencionalmente.

A inovação começa com a observação, mas o verdadeiro estalo inicial acontece quando você liga os pontos.

O que significa ligar os pontos? Ligar os pontos é pensar em uma experiência ou algum conhecimento em relação a outros pontos que podem ou não podem aparecer naturalmente relacionados.

O conceito é surpreendentemente simples, mas incrivelmente difícil de implementar. Ela exige uma mentalidade holística, uma de emparelhamento, associação e unidade em oposição a uma de singularidade, independência e categorização excessivamente analítica.

Vamos usar o Airbnb como um exemplo. O Airbnb começou com a ideia de proporcionar alojamento a preços acessíveis para as pessoas. Ao invés de ir no rumo habitual de hotéis e motéis, eles simplesmente pegaram essa ideia e alinharam com o seu conhecimento existente. As pessoas têm casas de todas as formas e tamanhos. Melhor ainda, casas estão em toda parte! Assim nasceu o Airbnb.

De um conceito simples, mas incrivelmente inovador.

O Uber usa um princípio semelhante na sua ao tornar disruptiva a indústria de táxi. Em vez de seguir em frente melhorando o serviço de táxi, construir uma infraestrutura de transporte público ou diminuir as emissões dos veículos, eles fizeram algo muito mais simples – permitiram que as pessoas paguem por passeios em veículos de outras pessoas.

Observar! Eis a inovação.

Você pega uma parte do conhecimento – uma ideia, desejo, plano ou meta – e olha para as conexões com outras partes do conhecimentos, condições, ferramentas e situações. É simples, mas difícil, eu sei.

A Inovação é provocada quando você começa a olhar para as coisas e fazer conexões entre o que você vê, sabe e pensa.

3. Rejeite o conceito de não poder.

A inovação é inclusiva e otimista. Ela permite conceitos, conhecimentos e experiência de todos os palcos da vida.

A inovação tem um arqui-inimigo: o não poder.

“Eu não posso”, “nós não podemos”, “aquilo não pode”, “isso não pode” – este processo difícil de pensamento é letal para a inovação.

Veja os “não posso” em seu pensamento como obstáculos e oportunidades temporárias para o crescimento. Eles existem por um momento, e com esse momento, lhe é concedida uma oportunidade de fazer melhorias, sejam eles na forma de opções, energia, recursos, pessoal, ou estratégia. Essas escolhas podem neutralizar suas dúvidas.

Muitas vezes, a coisa mais útil que você pode fazer para superar a dúvida é ver as coisas que você achava que eram impossíveis como possíveis.

Tudo e nada é possível, em certa medida. Pense como que começará a desgastar os seus bloqueios e abrir caminho para a inovação.

4. Abrace o desconforto.

A minha definição de inovação tem mudança em seu núcleo.

Quando você está confortável, é provável que nada está mudando na sua vida. O empresário colaborador Chris Ruisi escreveu,

 “A chave para liderar a mudança? Tornar-se confortável com o desconforto.”

Claro, a mudança é desconfortável, mas é o único caminho para o progresso á a inovação. Quando você está desconfortável, você está em uma posição madura para parar, analisar, e encontrar maneiras de mudar a sua vida. A sua mente reconhece que algo não está certo e procura o equilíbrio, uma forma de romper o impasse do desconforto.

O momento da descoberta é o início da inovação. A total inovação, a química que leva um pensamento e transformá-lo em uma ação e, eventualmente, um produto, é inatingível, a menos que você esteja disposto a se sentir confortável com o desconfortável.

5. Compartilhe recursos.

Se fazer conexões é o caminho para a inovação, então, unir os recursos é o bloco básico de construção para preparar o caminho para a inovação.

O advento do marketing de conteúdo tem sido um grande passo além na partilha global de fontes de conhecimento. Alguns anos atrás, seria impensável para um negócio explicar exatamente como atingir o sucesso, resolver problemas, ou produzir um produto notável. Isso teria sido sinônimo de abrir mão do negócio (giving business away.)

E hoje? O conteúdo está disponível e gratuito para quem procurar por ele. Você pode descobrir como otimizar o seu site para ferramentas de busca, escrever um convincente “relatório branco”, utilizar uma estratégia de growth hacking no seu negócio, ter sucesso como um empreendedor, ou qualquer outro assunto ou tema que você queira saber a respeito.

Partilhando recursos, particularmente os recursos do conhecimento, é uma das maneiras mais eficazes para inovar e para construir uma mudança duradoura que as pessoas realmente querem.

6. Tente, falhe, recue, e tente novamente.

A inovação é inútil se você não está disposto a ir até o fim com ela.

Saiba isso. A inovação não acontece sem alguns episódios de fracasso.

O fracasso não é necessariamente um ponto de parada. Ele certamente não deve matar a criatividade ou diminuir a ambição. A falha pode abrir novas perspectivas de possibilidade, inovação e criatividade.

A pesquisa confirma isso. Em seu artigo, “Why Failure Drives Innovation,” Baba Shiv, da Universidade de Stanford escreve: 

“O “fracasso” é um conceito temido pela maioria das pessoas de negócios. Mas o fracasso pode realmente ser um grande motor da inovação para um indivíduo ou para uma organização. O truque consiste em aproximá-lo com a atitude certa e aproveitá-lo como uma benção, não uma maldição”

O fracasso irá levá-lo para a frente e para cima, a novos níveis de criatividade.

Conclusão

A inovação é necessária para o sucesso, como é o fracasso, o desconforto, a reflexão, e uma mentalidade inclusiva.

Folheando revistas de negócios e periódicos irá informá-lo dessa realidade.

Por exemplo, um artigo da Forbes diz que as empresas norte-americanas estão morrendo por causa do fracasso em inovar. Um “white paper” explica: “A inovação é a única grande razão por que algumas empresas são bem sucedidas.”

O outro lado da equação também é verdadeiro: “A falta de inovação é o motivo que muitas empresas fracassam.”

A melhor parte é, você não precisa de permissão para começar a inovar. Fique atento e comece hoje.

Como você se força a inovar?

Fonte:

Você pode de alguma forma se tornar mais inovador? 

O que significa ser um líder (principalmente na crise)?

Você é um líder ou apenas um chefe? A diferença? Um chefe dirige apenas dando ordens. Se posiciona atrás da equipe. Já o líder está diretamente vinculado à equipe, à frente, inspirando e indicando o caminho.

Eu te fiz essa pergunta porque em quase 20 anos de mercado, muitos empreendedores com quem conversei têm perguntando sobre como ser um bom líder. Não sei se esse é o seu caso. Mas deixa eu compartilhar algumas coisas com você…

Ao contrário do “chefe”, uma liderança eficaz pode significar a chave para manter uma empresa de pé.  Afinal, em nenhum momento da nossa história, empresarial, foi necessário termos líderes tão preparados para os momentos difíceis pelos quais atravessamos.

E você, assim como eu, sabe que uma boa liderança não nasce do dia para noite. Mas existem algumas ações práticas que você pode (e deve!) adotar.

Sem perder a fé, mais forte que a maré

Ser um líder é muito mais do que apenas liderar. É adotar uma postura diante da vida e das outras pessoas. A liderança eficaz é aquela capaz de motivar, primeiramente, a si mesmo. Como se faz isso? É preciso combinar três fatores essenciais:

  • autoestima em dia
  • compreensão da impermanência da vida.
  • capacidade de trocar obstáculos por oportunidades

Sobre autoestima e autoconfiança, recomendo que leia este artigo aqui. Nele, você encontrará três passos simples para construir uma autoconfiança próspera, com um futuro sólido.

Compreender a vida como algo impermanente é a chave para serenidade interior. Nada é realmente estável, pois tudo se transforma. Diante de mudança, podemos passar por aparentes desorganizações. Porém, no fim, tudo aponta para a ordenação.

Ter consciência disso permite que você olhe para cada um dos seus subordinados com a segurança que lhes falta. Mais do que isso: apontar, de modo pragmático, que caminhos sua empresa deve seguir no momento de crise.  Eis a razão pela qual os obstáculos tornam-se oportunidades.

Monges orientais tem uma metáfora muito simples sobre como vencer barreiras: não passe por cima nem bata de frente, apenas passe pelo lado. Pode levar um pouco mais de tempo, porém você mantém a energia e não se desgasta. É não focar no problema, mas na solução.

Antes que continuemos… Você está gostando desse artigo? Gostaria de receber no seu e-mail um ebook gratuito e de quebra fazer parte de uma lista seleta com informações periódicas sobre empreendedorismo e temas afins? Então não de inscrever o seu melhor e-mail abaixo: 


Podem não ser filhos de sangue, mas são filhos de convés

Qual  o tipo de relação você desenvolve com seus funcionários?

Uma parte considerável de empreendedores ainda trata seus funcionários como meras mercadorias, a satisfazerem os desejos do negócio. Pouco sabem sobre quais são suas metas de vida, objetivos a curto prazo ou como estão se sentindo na empresa.

Tal atitude de frieza é percebida pelos funcionários que, por sua vez, sentem-se desconectados do projeto o qual fazem parte. Uma organização que chega a esse ponto eventualmente enfrentará graves problemas de relacionamento. É possível até que casos de depressão e ansiedade façam-se presentes.

Lembre que atrás do lucro que tal pessoa está lhe dando, há um ser humano – que necessita sentir-se parte de alguma coisa. Estar integrado em um projeto é poder conhecer a natureza das decisões e ter entendimento dos caminhos que serão seguidos. Saiba que se o barco afundar, você irá junto.

Comunicação assertiva

Comunicar-se de modo efetivo e sem ferir o ego dos seus funcionários é uma arte. Significa que você possui uma dupla missão: falar exatamente o que você quer, de modo que os outros entendam e respeitem seus desejos.

É quando entra a comunicação assertiva. Para entendê-la, precisamos falar de outras duas formas equivocadas de se passar uma mensagem que todo mundo comete:

  • comunicação agressiva
  • comunicação passiva

Falar agressivamente ou passivamente é falta de competência. Além de não expressar sua vontade com coesão, o interlocutor ou: a) ficará magoado/irritado com seu posicionamento (agressiva), ou b) tomará sua fala como sem força.

A assertividade está bem além do que um meio termo das outras duas formas de se comunicar. É uma postura perante si mesmo e o mundo. Ser assertivo é agir efetivamente como um líder: mesclar convicção com doçura, decisões difíceis com gestão de egos.

Para atingir essa meta, faça três movimentos:

  • diga o que deseja, mas utilizando palavras que não soem dúbias e deixem margem para interpretações desnecessárias
  • coloque, logo em seguida, que compreende a delicadeza da situação e dos diferentes pontos de vista
  • reforce, no fim, o seu posicionamento. Ratifique no final que se encontra aberto a opiniões contrárias ou complementares.

Para ajudar você, eu disponibilizei uma palestra do Brasil Empreendedorismo 2015 sobre Liderança Pragmática, feita pelo Douglas Burtet, especialista com mais de 30 anos de experiência no assunto. São dicas valiosas e facilmente aplicáveis.

Esse ano, o Brasil Empreendedorismo será de 8 a 12 de agosto mas você já pode garantir a sua vaga aqui.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén