A operadora de telefonia Verizon anunciou a aquisição dos negócios de internet do Yahoo por 4,83 bilhões de dólares em dinheiro. Este acordo marca o fim do Yahoo! como uma empresa independente.

A compra do Yahoo deve impulsionar negócios de conteúdo e publicidade da Verizon que também contempla a aquisição recente da AOL, feita durante o ano passado por 4,4 bilhões de dólares.

“Unir forças com a AOL e Verizon nos ajudará a alcançar um enorme escala no celular. Imagine os desafios de distribuição que vamos resolver, a escala que vamos conseguir, os produtos que iremos construir e os anunciantes que vamos atingir – é incrivelmente convincente”, disse a CEO Marissa Mayer que pretende permanecer no cargo.

Tim Armstrong, presidente da AOL, uma das missões da Verizon está na construção e manutenção de marcas que as pessoas adoram e o Yahoo! apresenta um dos ativos mais populares em conteúdo de esportes, notícias e finanças.

Embora a marca AOL continue um pouco desaparecida da internet, a empresa gerencia veículos de mídia conhecidos como o The Huffington Post, TechCrunch, Engadget e outras publicações.

A venda do Yahoo! para a Verizon deve ser concluída somente no início de 2017 mas marca o fim de uma das empresas mais importantes e pioneiras da internet. No entanto, basta um olhar rápido em seu passado para encontrar alguns dos grandes erros que levaram o “roxo” a derrocada.

O Yahoo! nunca soube bem definir seu ramo de negócios, muitas vezes foi descrita como uma empresa de mídia e outras de tecnologia. Com relação aos seus negócios, o Yahoo! era uma empresa de pesquisa que, pasmem, não gostava da ideia de levar os usuários para fora de seus ativos.

Esta indecisão impossibilitou, por exemplo, a aquisição do Google – por apenas US$ 1 milhão – em 1997. Na época, os executivos do Yahoo! queriam garantir que os usuários permanecessem mais tempo em seus domínios, enquanto aquele projeto de pesquisa criado por Larry Page e Sergey Brin iria contra todos os objetivos.

Mais tarde, após o visualizar umas das piores decisões da indústria, o ex-CEO do Yahoo! Terry Semel tentou comprar o Google por US$ 3 bilhões, mas naquele momento a gigante de Mountain View não tinha mais interesse na venda. Na verdade, até ainda poderia adquiri-lo, se Semel tivesse desembolsado US$ 5 bilhões ou mais.

Para piorar ainda mais a situação, em 18 de fevereiro de 2004, o Yahoo! escolheu por desistir de sua parceria com o Google e retomar seu mecanismo de pesquisa próprio. Na tentativa de fazer um sistema de pesquisa relevante, o Yahoo! viu seus outros serviços se tornarem obsoletos.

Apesar da competição cada vez mais acirrada com o Google, o Yahoo! tinha uma carta na manga: uma proposta de US$ 1 bilhão para o Facebook em 2006 deixou Mark Zuckerberg e seus acionistas empolgados. Porém, devido a resultados financeiros decepcionantes, o Yahoo! reduziu a proposta para US$ 875 milhões, rejeitada de imediato por Zuck.